O que impede que a gravidade faça a Terra cair no Sol?


A Primeira Lei de Newton, que estabelece o princípio da inércia, afirma que a tendência de qualquer corpo é permanecer em estado de repouso ou de movimento retilínio, a menos que este estado mude em função da aplicação de alguma força. Em outras palavras, um corpo parado só sairá do seu estado de repouso se for impelido por alguma força. E um corpo em movimento retilínio irá continuar a se deslocar indefinidamente na mesma velocidade, a não ser que uma força qualquer mude esta sua velocidade.

O planeta Terra (como qualquer outro corpo em órbita de outro) está em constante deslocamento. Segundo o princípio da inércia, ele deveria seguir em caminho retilíneo uniforme e escapar pela tangente, afastando-se continuamente do Sol.

Mas é aí que a enorme massa do Sol nos salva de uma morte agonizante por congelamento. A atração gravitacional entre o nosso planeta e a sua estrela impede que isto aconteça. É o equilíbrio entre estas forças (a inercial e a gravitacional) que impede tanto que caiamos sobre o Sol quanto nos afastemos indefinidamente dele.

É uma situação semelhante a uma criança sendo girada pelos braços ao redor do seu pai rodopiando. A força centrífuga impele as pernas da criança para fora, e ela de fato iria cair longe se o seu pai não a segurasse (como a força gravitacional, que nos impede de ser atirados para fora do Sistema Solar). Há uma diferença aí, contudo: a "órbita" da criança é uma circunferência perfeita, enquanto a órbita da Terra (e da maioria dos corpos em órbita) é uma elipse não circular. Órbitas perfeitamente circulares são raríssimas, pois dependem de parâmetros exatos que quase nunca acontecem na natureza. Basta uma pequena perturbação para que a órbita não seja uma elipse perfeitamente circular. E o que não faltam são perturbações no Cosmos!

Fonte: Papo de Primata

Nenhum comentário:

Postar um comentário