Como os daltônicos veem o mundo?


O daltonismo é um distúrbio da visão que consiste na incapacidade de diferenciar algumas cores, como o verde e o vermelho, e o azul e o amarelo. Essa condição — quase sempre hereditária — afeta 1 em cada 12 homens ou 1 em cada 100 mulheres e é provocada por uma alteração no pigmento dos cones, um dos fotorreceptores presentes nos olhos.

Nós percebemos as cores graças a dois tipos de células que existem nos olhos, os cones e os bastonetes, responsáveis por capturar os estímulos visuais e transmiti-los ao cérebro, que, por sua vez, “traduz” as informações e as transforma em imagens. Os bastonetes são os encarregados de detectar a luminosidade, e os cones, as cores, e a maioria de nós possui três tipos de cones: vermelhos, verdes e azuis. Pois acontece que os daltônicos têm um probleminha com essas celulazinhas aí.

Tipos

De acordo com o Dr. Drauzio Varella, a discromatopsia — que é outro nome para o daltonismo — se divide em três tipos: protanopia, deuteranopia e tritanopia. A primeira variedade se caracteriza pela ausência ou redução dos cones vermelhos, resultando em uma visão em tons de marrom, bege, verde ou cinza.

Consegue ver os números?

Quem apresenta a segunda variedade, a deuteranopia, tem falta ou diminuição dos cones verdes e, portanto, enxerga em tons de marrom. Por último, a tritanopia se caracteriza pela ausência ou redução dos cones azuis, resultando em uma visão puxada para os tons de rosa. Segundo o Dr. Drauzio, vale lembrar que um grupo bem pequeno de pessoas apresenta visão acromática — o que significa que elas só conseguem ver em tons de branco, preto e cinza.

Para quem não sofre de daltonismo, é meio difícil imaginar como esse pessoal enxerga o mundo que nos rodeia. Mas, se você sempre sentiu curiosidade em descobrir, o pessoal do site Bright Side reuniu uma porção de imagens que mostram como cada tipo de daltônico percebe as cores. Confira a seguir:

Frutas


Semáforo


Refri


Arco-íris


Tráfego


Lápis coloridos


Frida


Fonte: Brightside

Nenhum comentário:

Postar um comentário